Erros corriqueiros em instalações fotovoltaicas

  • Post Category:Blog

O fato de várias empresas de energia solar estarem surgindo, desenfreadamente, remete o que seria um mercado fácil de se trabalhar, porém o que realmente acontece é a abertura de empresas com pessoal despreparado para as instalações, que tornam seus clientes insatisfeitos, denegrindo assim, a imagem geração fotovoltaica (FV). 

A seguir, serão apresentados alguns tópicos sobre erros que ocorrem ao ser feita uma instalação FV. 

  1. Estrutura inadequada para instalação dos módulos solares; 

Os módulos, em geral, pesam na faixa de 27 a 30kg, o que gera uma grande carga permanente nas coberturas. Caso a estrutura do telhado esteja dimensionada somente para suportar o telhado, ao instalar os módulos solares, pode haver colapso da estrutura. Uma análise de um engenheiro sempre deve ser levada em consideração antes do dimensionamento do sistema FV. 

  1. Falta de EPIs na instalação; 

EPIs são indispensáveis em qualquer instalação, garantem a segurança e a saúde dos trabalhadores, reduzindo qualquer tipo de risco ou ameaça ao instalador. 

  1. Sistema FV mal dimensionado; 

Um sistema FV que não foi dimensionado corretamente pode ser: superdimensionado, quando a geração é muito acima da demanda, encarecendo o projeto, ou subdimensionado, quando a geração não atende à demanda necessária, fazendo o payback ter um tempo aumentado. 

Esse mal dimensionamento ocorre devido a não ser considerada a Performance Ratio, que são as perdas ocasionadas por diversos fatores, já mencionados em outro artigo do nosso site (Fatores que influenciam na eficiência de módulos solares). 

  1. Mão de obra não especializada na instalação; 

Como várias empresas de energia solar estão abrindo, muitas delas utilizam de mão de obra terceirizada, o que aumenta o risco desse serviço não ser especializado, logo, o sistema FV pode ficar mal instalado, ocasionando falhas na geração de energia. 

Opte por empresas que tenham equipe própria de montagem e manutenção para sistemas FV. 

  1. Mais de uma orientação na mesma string; 

Uma string é um arranjo de módulos que terá uma conexão com o inversor. Caso essa string tenha uma orientação norte (melhor posição para geração) e outra orientação diferente (com menor geração), o sistema FV trabalhará com tensões diferentes, de forma que ele escolhe a tensão que seja equivalente na string, ou seja, a menor tensão, que seria comum entre as duas orientações, reduzindo assim a geração total. 

  1. Instalação dos módulos em local sombreado;

O sombreamento nos módulos, que pode ser causado tanto por obstáculos (prédios, árvores), quanto pelos próprios módulos (foto abaixo), reduzindo assim a eficiência na geração FV, e em alguns casos, sendo crucial para essa geração, semelhante ao que acontece no tópico anterior. 

Em mesma string, um módulo sombreado vai reduzir a tensão da string toda, como se o sombreamento de um único módulo fosse replicado nos outros. Existem módulos com tecnologia half-cell, que divide o módulo em dois, caso haja sombreamento em uma das partes, a outra continua gerando energia. 

  1. Caminhar sobre os módulos; 

Em um projeto de disposição dos módulos solares deve-se prever limpezas e manutenções, tanto do sistema FV quanto do telhado, assim não haverá necessidade de pisar nos módulos, o que é estritamente proibido, pois pode causar trincas nos módulos, danificando a célula FV que interrompe o circuito elétrico (não gera mais energia). Sempre deve-se deixar espaços (pelo menos 50cm) para a limpeza e manutenção em telhados com sistemas fotovoltaicos. 

  1. Proteções de Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA);  

Uma instalação fotovoltaica precisa de uma stringbox,  conforme a NBR 16690 : invólucro no qual subarranjos fotovoltaicos, séries fotovoltaicas ou módulos fotovoltaicos são conectados em paralelo, e que pode alojar dispositivos de proteção e/ou de manobra. Conforme a NBR 16690 é OBRIGATÓRIO que o arranjo fotovoltaico possua um dispositivo interruptor seccionador, para permitir o seccionamento do inversor. 

Toda instalação fotovoltaica deve conter uma divisão física entre o cabeamento de CA e de CC (arranjo fotovoltaico) conforme NBR 5410: Quando a instalação comportar mais de uma alimentação (rede pública, geração local, etc.), a distribuição associada especificamente a cada uma delas deve ser disposta separadamente e de forma claramente diferenciada das demais. Em particular, não se admite que componentes vinculados especificamente a uma determinada alimentação compartilhem, com elementos de outra alimentação, quadros de distribuição e linhas, incluindo as caixas dessas linhas. 

9. Aterramento;  

Cada módulo tem uma furação específica para o aterramento, não respeitar essa furação compromete a garantia do produto. todos os circuitos devem possuir condutor de proteção e que quaisquer outros eletrodos de aterramento devem estar equipotencializados com o barramento de equipotencialização principal conforme NBR 5410. O perigo na falta de aterramento está nas grandes variações de tensão da rede. 

  1. Overload; 

Seguindo a tendência de um mal dimensionamento, o overload (sobrecarga) ocorre quando o número de módulos em uma string gera uma tensão mais alta do que deveria. Apesar do inversor avisar sobre essas sobrecargas, se não for corrigido, pode causar danos permanentes ao sistema. 

  1. Condutores inadequados; 

O sistema fotovoltaico precisa de condutores específicos para atender as especificidades do sistema,  fatores como temperatura, isolamento e cobertura são importantes para garantir a vida útil do sistema. 

Escrito por Floriano Luiz Suszek, Doutor em Engenharia Agrícola, Engenheiro na inVolt Energia Solar.